À medida que a Web cresce, a experiência com anúncios online às vezes fica aquém das expectativas dos consumidores. O bloqueio de anúncios está aí para provar. Anúncios que interrompem a experiência de navegação ou atrasam o acesso ao conteúdo podem frustrar os consumidores. E, por conta do uso desenfreado desse tipo de publicidade, o uso de bloqueadores de anúncios já  foi um dos problemas mais importantes para o setor de publicidade digital – calcula-se que, até 2016, 30% dos dispositivos online usavam software de bloqueio de anúncios, incluindo mais de 300 milhões de dispositivos móveis.

Tendo em vista esse problema, as principais associações comerciais internacionais e empresas do ecossistema de mídia online, representando anunciantes globais líderes, agências de publicidade, publishers e empresas de tecnologia, uniram forças para criar a Coalition for Better Ads. Google, P&G, Unilever, Facebook e Microsoft são algumas das empresas envolvidas no objetivo de promover um ecossistema de publicidade digital mais amigável para o usuário. Essas organizações fizeram uma extensa pesquisa estudando como os usuários da Internet interagem com anúncios online e ofereceram sugestões sobre como melhorar a experiência do usuário. O objetivo principal era avaliar as preferências dos consumidores sobre os tipos de anúncios que eles menos gostam. A identificou as piores experiências de anúncios, analisando uma variedade de fatores de experiência do usuário que estão altamente relacionadas ao uso de ad blockers. 

A pesquisa

Na primeira fase da pesquisa da Coalizão, mais de 25 mil usuários da Internet na América do Norte e Europa foram ouvidos ​​sobre suas preferências por diferentes tipos de anúncios online. Para determinar qual anúncio deixa os consumidores mais irritados e frustrados, a Coalition for Better Ads usa um modelo de pesquisa que replica as experiências do mundo “real” dos usuários, à medida que visualizam anúncios enquanto leem ou consomem conteúdo online de alta qualidade. Os participantes foram convidados a ler artigos em quatro páginas de conteúdo simuladas, três das quais continham experiências de anúncios diferentes e uma delas não tinha anúncios, depois foi solicitado aos participantes que classificassem cada experiência de anúncio em vários fatores, dizendo, por exemplo, se o anúncio era irritante ou perturbador. Os participantes da pesquisa também classificaram comparativamente as diferentes experiências de anúncios, com base na preferência pessoal e, ao mesclar essas classificações de preferência do consumidor entre milhares de participantes da pesquisa, a metodologia da Coalition criou um ranking com dezenas de experiências de anúncios diferentes, classificando-os do melhor para o pior.

 

Esses dois artigos (em inglês) trazem mais detalhes sobre a metodologia utilizada

Os resultados da pesquisa focada no consumidor definiram os melhores padrões de anúncios e identificaram as experiências de anúncios que ficam abaixo de um limite de aceitabilidade do usuário. “Aborrecimento” e “distração” estavam entre os fatores mais importantes para determinar se uma experiência de anúncio ficaria abaixo do limite definido por um Better Ads Standard. Pesquisas subsequentes realizadas na Ásia, América Latina e África encontraram um forte alinhamento das preferências do consumidor relacionadas às melhores e às piores experiências em publicidade online. Até o momento, mais de 66.000 consumidores em países que representam 70% dos gastos globais com publicidade online participaram da pesquisa da Coalizão e concordaram sobre os formatos mais invasivos para anúncios.

Esses são os 12 tipos mais irritantes de anúncios que os publishers devem evitar para garantir uma boa experiência do usuário em seus sites:

Para desktop: 

  • anúncios pop-up
  • reprodução automática de anúncios em vídeo com som
  • anúncios do tipo prestitial (que aparecem antes do site ser aberto) com contagem regressiva 
  • anúncios grandes fixos

Para tablets e smartphones: 

  • anúncios pop-up
  • anúncios do tipo prestitial
  • anúncios com tamanho maior do que 30% da tela
  • anúncios animados intermitentes
  • anúncios de vídeo reproduzidos automaticamente com som
  • anúncios poststitial com contagem regressiva
  • anúncios de rolagem em tela cheia e grandes anúncios fixos.

coalition for better ads

 

Todos serão afetados, mas pode ser bom para todo mundo

Mas esses padrões não são imutáveis. A Coalizão incentiva anunciantes, editores e provedores de tecnologia de publicidade a revisar sua pesquisa e os Melhores Padrões de Anúncios, como parte de seus esforços no mercado para melhorar a experiência de anúncios online. E outra: embora a pesquisa de consumidores da Coalizão tenha sido projetada para identificar os tipos de anúncio menos preferidos, ela também fornece informações sobre a avaliação dos consumidores de uma gama muito mais ampla de experiências de anúncios, incluindo aquelas que os usuários mais gostam. Ou seja, há um lado bom para todos: os editores podem usar os padrões de anúncios melhores para desenvolver experiências aprimoradas para seus públicos, os fornecedores de tecnologias de avaliação podem usar os Melhores Padrões de Anúncios para desenvolver novas maneiras de avaliar a prevalência no mercado das experiências de anúncio preferidas pelos consumidores…

A abordagem metodológica da Coalizão deixa em aberto a possibilidade de inovação contínua no desenvolvimento de novas experiências de anúncio. Em vez de reclamar, é preciso que as marcas respondam aos consumidores revendo seus planos de marketing e tomando medidas para evitar essas experiências ruins. Como disse Joe Barone, Managing Partner, Brand Safety da GroupM, o maior grupo de investimento em mídia do mundo: “a premissa é simples: o que é correto para os consumidores é sempre a resposta certa para o anunciante”. Em outras palavras, a percepção da experiência online que o consumidor tem é o que realmente importa e essa mudança na publicidade online vem para beneficiá-lo.

É claro que isso mexeu diretamente com muitos Publishers, afinal, uma parte considerável da receita desses players vem de anúncios de alto impacto, (justamente aqueles que são considerados irritantes pelos usuários). É mais uma adversidade que os Editores têm que administrar em um cenário de receitas publicitárias que já estão cada vez mais disputadas. Mas nós já estamos preparados – a maioria dos Publishers grandes e médios já deixou de utilizar os anúncios invasivos.  Mas se você ainda não fez isso e não sabe bem como fazer, entre em contato conosco – a Premium Programmatic é especialista nesse assunto! 

Nós também preparamos um artigo para você entender melhor sobre o processo de revisão e bloqueio de anúncios do Google Chrome. (colocar link nosso artigo sobre os bloqueios do google). 

Quando você trabalha com publicidade digital, é fácil esquecer como é ser um usuário comum da Internet. Mas lembre-se que todos saem ganhando quando se antecipam às mudanças e demonstram respeito pelo usuário em sua publicidade digital!

Entenda melhor como essas mudanças chegaram acompanhando a Linha do tempo:

  • As normas para a América do Norte e Europa foram publicadas em março de 2017 e foram aplicadas por muitos participantes do setor em suas práticas de negócios.
  • Em 2018 o Google lançou o bloqueador de anúncios considerados agressivos segundo o padrão dos Better Ads. Se em um site houvesse um anúncio considerado “intrusivo” (um dos 12 que mostramos anteriormente), esse anúncio já poderia ser bloqueado e os usuários não o veriam.
  • A Coalizão anunciou em janeiro de 2019 que sua pesquisa apóia a adoção dos mesmos Padrões no mundo inteiro para computadores e redes móveis.
  • Em julho de 2019 as melhores práticas da publicidade digital chegam ao Brasil e outros países de maneira mais firme e definitiva – quem não se adequar pode ter os anúncios bloqueados (colocar link do nosso artigo sobre o bloqueio do google)
  • Hoje a CBA tem mais de 50 membros, representando anunciantes globais líderes, agências de publicidade, publishers e empresas de tecnologia e outras 80 associações comerciais de todo o mundo são afiliadas da Coalition for Better Ads. 

O Programa Better Ads Experience

Após a pesquisa e a definição dos melhores e piores tipos de anúncios, o projeto prosseguiu com a criação do Programa Better Ads Experience, uma iniciativa para certificar os publishers que adotam os padrões Better Ads que concordam em não usar os anúncios mais invasivos identificados nos padrões. As empresas certificadas não terão anúncios nestes sites filtrados pelos browsers que participam do programa. O programa inclui um mecanismo independente de resolução de disputas desenvolvido pelo Advertising Self-Regulatory Council, com apoio do Conselho Internacional de Autorregulamentação Publicitária. O programa pretende avaliar a compliance com os Melhores Padrões para Anúncios para desktops e internet móvel.

Aproximadamente 70 publishers, que representam cerca de 300 domínios em 27 países, já passaram por certificação de compliance e conformidade com os padrões da Coalition e se adequaram aos requisitos do programa. A presença global e o alcance das empresas participantes sinalizam o compromisso dos publishers em todo o mundo em alinhar suas experiências de publicidade online às preferências do consumidor. A participação no Programa Better Ads é apenas um caminho pelo qual os membros da indústria de publicidade digital adotam, de forma independente, os padrões da CBA que beneficiam os consumidores. Empresas de tecnologia de anúncios, agências de publicidade e publishers incorporaram estes padrões como parte de seus esforços para se conectar efetivamente com os consumidores e associações comerciais do setor incorporaram os padrões em seus programas de certificação e recomendações de melhores práticas para seus membros. 

Vantagens

✓ Não há cobrança pelo registro inicial no Programa Better Ads Experience

✓ Benefícios imediatos para o período experimental

✓ Capacidade de divulgar no mercado a participação da sua empresa na adesão ao Programa dos Padrões Better Ads.

✓ Acesso ao mecanismo independente de resolução de disputas do Programa para ajudar a resolver disputas sobre a avaliação do cumprimento das Normas, quando disponíveis

✓ Acesso aos recursos de correção futuros do Programa (conforme desenvolvido) para qualquer questão de não conformidade com as Normas decorrentes da avaliação por uma 

entidade de implementação credenciada pelo Programa

 

Por que mudar?

Se você é um publisher, há muitas razões para  respeitar os padrões da Coalition for Better Ads. Uma delas é garantir que seus anúncios sejam veiculados no Chrome, já que o navegador do Google é usado por 58% dos usuários em todo o mundo. E também porque, se o usuário não achar a experiência do anúncio positiva em seu site, ele pode abandoná-lo ou instalar um bloqueador de anúncios.Otimizando suas páginas e escolhendo blocos de anúncios fáceis de usar, você melhora a experiência de seus leitores com os anúncios.

É claro que o bloqueio de anúncios é uma má notícia para todos na publicidade digital, incluindo editores que dependem da receita do anúncio para financiar conteúdo e anunciantes que tentam se conectar com o público. Mas o bloqueio ele é um sintoma de uma experiência de usuário corrompida – que profissionais de marketing, editores e fornecedores de tecnologia de anúncios devem trabalhar juntos para ajudar a corrigir. Graças à pesquisa da Coalition for Better Ads, agora sabemos quais formatos e experiências de anúncio os usuários consideram mais irritantes e você tem um verdadeiro roteiro completo com os formatos e experiências que deve evitar.  E destacamos três pontos importantes que você precisa entender sobre o significado dessas mudanças que estão acontecendo:

  • as pessoas não odeiam todos os anúncios  – a pesquisa da Coalizão identificou várias práticas comuns de anúncios que as pessoas encaram mais positivamente e oferece um caminho para converter formatos irritantes em outros menos invasivos e igualmente eficazes
  • Faça um balanço dos efeitos negativos das suas propagandas e considere se elas são abusivas – muitos editores podem nem estar cientes que seus anúncios violam os Melhores Padrões de Anúncios. Esse link aqui traz todas as informações sobre o Relatório de Experiência do Anúncio – ele identifica todos os anúncios que violam os padrões e oferece a oportunidade de remover ou substituir os anúncios e revisar o site novamente.
  • A experiência do usuário tem que ser prioridade –  O que é bom para eles geralmente acaba sendo bom para os negócios. Adote os padrões e beneficie seu consumidor!

Empresas e associações comerciais que desejam ingressar na Coalizão podem aprender mais em www.betterads.org.

Saiba mais como a Premium Programmatic pode te ajudar a aplicar os termos da Coalition for better Ads em seu site. Se ainda ficou com alguma dúvida sobre este assunto, entre em contato com a gente!